segunda-feira, 11 de março de 2013

O QUE REALMENTE CONTAMINA O HOMEM?


TEXTO BIBLICO: Mt 15.10,11 Mc 7:15
Introdução: Nesses versos, Jesus não está dando permissão para usarmos todos os tipos de alimentos. Até mesmo que um cuidado deve ser tomado sim, pelo alimento que se ingeri: Ele deve ser sempre bem lavado, bem preparado, deve ser sempre observado o tipo de alimento que nosso “organismo aceita” (pois nem todo mundo pode comer de tudo, isto é, o organismo das pessoas difere uns dos outros) e o lavar as mãos é fundamental, sim o lavar as mãos antes de qualquer refeição. Jesus proferiu essa declaração, alguns fatos se tornam claros, mas é necessário fazer uma análise para entender o que realmente o Senhor Jesus queria nos ensinar:
1)   Jesus contou uma parábola. Mt 15.15  Então, lhe disse Pedro: Explica-nos a parábola. Jesus, porém, disse: Também vós não entendeis ainda?” Qual a finalidade de uma parábola ? Transmitirem ensinamento. Sabemos que esse tipo de narração não deve ser considerado doutrina, pois uma história fictícia é utilizada apenas para ilustrar a fim de se transmitir uma lição moral e/ou espiritual.

2)  Jesus tinha outro propósito ao mencionar esta parábolaMt 15.11b “Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem.
Os fariseus diziam que, se uma pessoa comesse sem lavar as mãos (ritual de purificação), iria ser contaminada (Marcos 7:1-4). Os fariseus eram guardiões das tradições de homens e os escribas eram legalistas. O lavar as mãos antes de comer o pão, não era uma questão de higiene e sim um ritual religioso que prezavam mais do que o guardar os mandamentos do Senhor, onde lavavam não só as mãos, e sim os braços, rostos, copos, pratos ou todos os utensílios que envolviam a refeição. E isto eles faziam todas as vezes que vinham da rua. O objetivo de Jesus era ensinar que a “fonte” das más ações praticadas pelo ser humano se acha no “interior”, não no “exterior”. Não há proveito apenas quando o exterior é purificado, como faziam os fariseus. (Ver Mateus 23:25,26.)
Portanto, ao Jesus dizer: “não é o que entra pela boca que contamina ao homem, mas o que sai da boca”. Simplesmente está afirmando: “Não é o ato de não lavar as mãos antes das refeições (o ritual religioso de purificação) que irá contaminar o homem, mas o que saem da boca, isto sim contamina o homem”. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem. São estas coisas que precisam ser purificadas dentro do homem.

DEVEMOS CUIDAR COM O QUE ESTÁ DENTRO DO NOSSO CORAÇÃO:
a)  Cuidado com as palavras: Porventura não se dará resposta à multidão de palavras? E o homem falador será justificado? Jó 11:2 Tenha cuidado com o destempero de suas palavras. Uma frase dita com ressentimento pode destruir. Pense duas vezes antes de proferi-la. O desequilíbrio de nossas palavras pode provocar verdadeiras tragédias que mais cedo ou mais tarde voltar-se-ão contra nós mesmos.  A boca do justo é fonte de vida, mas a violência cobre a boca dos perversos.   Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio.  Prata escolhida é a língua do justo; o coração dos perversos é de nenhum valor.  Os lábios do justo apascentam a muitos, mas os tolos morrem por falta de entendimento. (Pv 10.11,19,20,21) Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração. 
Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo. 
Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado. (Mt 12:34,36,37)

b)  Cuidado com os pensamentos: O alvo da vida cristã é justamente trazer todos os pensamentos cativo a Cristo, ou seja, de sermos "esculpidos" conforme a imagem de Cristo Rm 8.29 Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.  2 Co 3.18  Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. Ef 6.17 Tomai também o capacete da salvaçãoTer o Capacete da Salvação é está com os pensamentos voltados para Cristo.

c)  Cuidado com o homicídio: Muitos enganam-se que para ser um homicida basta cometer o ato. O Senhor Jesus disse que basta você irar-se que já é um homicida ou um suicida. Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno. Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta. Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. 
(Mateus 5:21-25)


d)  Cuidado com o adultério, a prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias: Estas coisas estão praticamente ligadas entre elas. Pois o adultério leva a prostituição,  a prostituição leva ao furto (pois toda aquele que comete adultério, está se prostituindo e rouba de outro o que não é propriamente seu), o que furta dar falsos testemunho de uma vida digna e blasfema do Senhor quando este nos orienta a dar bom testemunho de uma vida de cristão. Devemos levar em conta o que diz Apocalipse 22:15  Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. 

Estas coisas contaminam o homem e não o que come sem lavar as mãos em um ritual religioso, pois todo aquele que lavar suas vestes no “Sangue do Cordeiro” tem uma vida remida do pecado, se purifica não só no exterior, mas também o seu interior, sua aparência fica parecida com a de Cristo, pois sua vida reflete a imagem do autor e consumador de nossa fé. E seu interior é transformado pela presença do Espirito Santo. Aqueles que entregam suas vidas ao Senhor são lavados por dentro e por fora. Em Colossenses 3.8-10 diz: Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca.
Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos,
E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; 
Quando aplicamos estas coisas, estas palavras, estes ensinamentos em nossas vidas somos moldados por elas e podemos sem rituais testemunharmos das grandezas de Deus para um mundo que anda em escuridão. Seremos luz do mundo e sal da terra, seremos enviados, seremos missionários de Cristo.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

APRENDENDO A DESENVOLVER A FÉ


Texto bíblico: Mc 9.14 – 29
Introdução: Neste texto, podemos ver um pai desesperado, lutando por filho, que estava sofrendo nas mãos do demônio, sofrendo ataques violentos, que o deixava surdo e mudo, jogava-o no chão, fazia-o espumar, ranger os dentes, com o corpo todo rígido (todo duro). Em momentos lançava-o no fogo, outrora na água, para lhe tirar a vida. Ataques que já aconteciam desde sua infância (o que indica que o menino já era um rapaz). Um pai atordoado pelas circunstâncias de seu filho, um sofrimento, uma dor, uma tristeza. Algo que parecia não ter esperança, sem solução (para aqueles que são pais, não há nada mais doloroso do que ver um filho sofrer, se pudéssemos trocaríamos de lugar com eles, quando estes momentos surgem em suas vidas). Este pai estava buscando uma solução para seu filho. Certamente ouviu falar dos milagres e sinais feitos pelos discípulos de Jesus, foi até eles com a esperança de ter o problema de seu filho solucionado, mas para sua surpresa, eles não puderam ajudá-lo. E ainda para piorar este fato desencadeou uma discussão entre os escribas e os discípulos de Jesus. (que provavelmente discutiam sobre a autoridade concebida aos discípulos em ocasião anterior). Este fato pode ter gerado dúvidas e indecisões, tanto para os discípulos quanto para aquele pai. A dúvida e a falta de fé passaram a imperar naqueles corações!! Uma estratégia que o diabo usa desde o começo em seu ataque ao “homem” no jardim do Éden (quando ali implantou a dúvida no coração da Eva), tentou esta mesma estratégia com o Senhor Jesus no deserto, quando ali o tentou, distorcendo a Palavra de Deus para induzir o Senhor com dúvida. Uma geração incrédula que facilmente, deixava a dúvida ser implantada em seus corações. Daí a indignação do Senhor em chama-los de “geração incrédulas”. Até quando Ele (o Senhor) teria que suportar toda aquela falta de fé?
Aquele pai ao ver Jesus, vai ao seu encontro. Uma nova esperança surge! E ao encontrar-se com Jesus se põem de joelhos e Roga para que Jesus ajude seu filho. (Mt. 17.14,15). A partir deste momento há um novo desfecho!! Era o próprio Senhor que conduziria toda aquela situação.
Podemos assim ver alguns fatos que envolveram a vida deste pai, seu filho, o Senhor e os próprios discípulos. Podemos assim tirar algumas lições que contribuíram para o desenvolvimento da fé daquele pai, vejamos:
ATITUDES QUE CONTRIBUIEM PARA O DESENVOLVIMENTO DA FÉ
1- Devemos buscar sempre uma vida de consagração - Diante do “problema e da luta”, aquele pai buscou ajuda com os discípulos de Jesus. Fato corretíssimo! Porém não foi atendido como necessitava. Os discípulos não conseguiram expulsar o demônio que estava sobre o rapaz, embora estes receberam do próprio Senhor “autoridade e poder” para pregar o reino de Deus, curar os enfermos e expulsar os demônios (Mt 10.1; Lc 9.1,2). Porque então, eles não conseguiram expulsarem este demônio? A resposta para isto veio do próprio Senhor Jesus – Vs. 29 – Era uma “casta” – Uma espécie de demônio que só sai com jejum e oração. Este fato nos ensina que a igreja precisa está sempre em oração e jejum, isto é, precisa de consagração. O princípio que fica em evidência, é que se os discípulos tivessem uma vida de oração e jejum, como Jesus o tinha, eles poderiam ter trazido solução para a angústia daquele pai. Assim, a vida de oração e jejum de uma igreja ou de alguém é o termômetro que mostra a sua condição espiritual. Onde há muita oração e jejum resultante da dedicação genuína a Deus e à sua Palavra há fervor espiritual e abundância de fé. Vejamos alguns versículos que nos mostra como devemos prosseguir:
Mc 1.35: “E, levantando-se de manhã, muito cedo, fazendo ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava”.

Lc 5.15-17: “A sua fama, porém, se propagava ainda mais, e ajuntava-se muita gente para o ouvir e para ser por ele curada das suas enfermidades. Ele, porém, retirava-se para os desertos, e ali orava. E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galiléia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar”.

2- Evitar discussões com aqueles que não têm nada a acrescentar (Vs.14) – Provavelmente depois da frustrada tentativa para expulsar o demônio do rapaz e não conseguindo, os discípulos de Jesus entraram em uma discussão com os escribas. O que não acrescentava nada em sua fé, pelo contrário, suas dúvidas aumentaram sua incredulidade... daí o motivo da indignação do Senhor Jesus, a ponto de chamar todos de incrédulos e até quando Ele (o Senhor) deveria suportar tanta falta de fé. O diabo há tempo vem utilizando esta estratégia para enfraquecer os salvos em Cristo, deixando-os vulneráveis, duvidosos e incrédulos. Tirando-lhes assim a autoridade e poder concedida pelo Senhor para expulsá-lo.

3- Prostrar-se diante do Senhor mediante qualquer  dificuldade - A vida sem Cristo é vazia e não tem sentido, por isso, não nos intimidemos com a presença daqueles que não crêem no Senhor, mas peçamos insistentemente Sua ajuda. Foi exatamente isso que aquele pai fez, prostrou-se diante do Senhor e clamou (Mt. 17-14,15). Mesmo que naquele momento sua fé também estivesse abalada pela discussão, ele foi e clamou por Aquele que pode solucionar seu problema.

4- Devemos abandonar todos os sintomas de incredulidadeDiante de Jesus aquele pai ao clamar por socorro tinha um vestígio de incredulidade... Se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos (Vs.22). Veja qual foi a resposta do Senhor a ele: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crer (Vs.23). Não era o que o Senhor poderia ou não fazer, ele pode todas as coisas (Jó 42.2; Lc 1.37) e sim o quanto aquele pai estava disposto a crer no Deus do impossível. Sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. (Hebreus 11:6). Deus não agirá nada vida de quem quer que seja, se não encontrar em sua vida a “fé”. Pois Ele é o que sonda os corações e conhece todos os pensamentos (Sl 139.1-4). Foi isso que o pai do rapaz entendeu, disse que cria e pediu ajuda para sua incredulidade (e neste momento havia sinceridade em seu coração e suas palavras). Era necessário ele (o pai) primeiramente ser curado de sua incredulidade, para então o filho ser liberto da possessão.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

“Quem é essa multidão?”

TEXTO BIBLICO: Marcos 6.34

Introdução: havia uma multidão que padecia necessidades de várias coisas (entre estas: fome, doenças, possessão, falta de compreensão, etc.). Essa multidão buscava oportunidades para terem suas vidas resolvidas (ou terem seus problemas solucionados).
Jesus cansado de uma longa trajetória de ensinamentos e curas, mal tinha tempo para descansar e alimentar-se. Então entra num barco e se retira para um local deserto, a fim de que pudesse descansar e alimentar-se. Logo que a multidão percebe que ele havia se retirado e sabem qual direção tomou, eles deixam suas cidades e seguem a pé em Sua direção, chegando antes de Jesus e seus discípulos do outro lado. Corriam de um lado para outro em busca de solução para seus problemas.

TEMA: “Quem é esta grande multidão?”

I. ERAM OBSTÁCULOS – Mc 2.4

a) Embora admirados com os milagres que Jesus realizava e até presenciavam estes milagres. Esta multidão em alguns episódios (como no texto citado) eram os que impediam muitas outras pessoas de serem abençoadas por Jesus. Serviam de bloqueio para as bênçãos de outros.

b) Mesmo que haja uma multidão que serve de obstáculo entre você e Jesus. É necessário aprender a superar este obstáculo, mesmo que isso exija de você um esforço além do seu limite. Para alcançar a benção de Jesus é preciso ter fé, esforçar-se, superar os obstáculos. É preciso aprender a vencer a multidão.



II. ERAM AQUELES QUE APRENDIAM COM JESUS - Mc 2.13

a) A multidão ia sempre ao encontro de Jesus, pois tinha o desejo de aprender seus ensinamentos, sua doutrina.

b) Maravilhavam-se com sua doutrina (Mc 6.2) porque eram com autoridade, não consistiam em vãs filosofias, e sim eram precedidos de sabedorias e milagres. E isso fazia com que a multidão pudesse testificar as verdades em suas palavras.

c) Aprender com Jesus nos leva ao conhecimento da vontade de Deus para nossas vidas, nos leva a conhecer Seus pensamentos (I Co 2.9-13). Isto nos leva ao conhecimento de seu “poder”.

III. ERAM OPORTUNISTAS – Lc 6.19

a) Vendo que um simples toque em Jesus era o suficiente para serem curados e/ou ficarem livres de seus problemas. Eles aproveitavam a oportunidades de terem Jesus por perto ou junto deles, aproximavam dele e tocam nele e em suas vestes. Talvez para alguns aquele momento fosse sua única oportunidade, deviam aproveitar a oportunidade.

b) Ser oportunista é clamar ao Mestre quando Ele está por perto (Isaías 55.6) como o cego Bartimeu (Mc 10.47) que clamou por sua misericórdia; Como Zaqueu (Lc 19.5) que ao ser chamado pelo mestre o recebeu em sua casa, tendo sua vida transformada; Ser como o homem que a 38 anos padecia enfermo e sobre a palavra de Jesus levantou-se e saiu curado (Jo 5.5-9);

IV. ERAM AQUELES QUE CONDENAVAM JESUS – Mc 15.15

a) A mesma multidão que outrora receberam Jesus em suas cidades e casas, receberam suas doutrinas, foram curados, tiveram suas vidas transformadas pelo Seu Poder, clamaram e exaltaram-no como o “Rei que vinha no nome do Senhor” (Mt. 21.9), agora clamam por sua condenação e morte, incentivados pelos invejosos filhos das trevas. Preferem um ladrão e assassino do aquele que trazia a mensagem da vida, as boas novas do Pai. Esqueceram ou preferem não lembrar-se o que Jesus representava para eles, o que Ele fez. Como os recebeu com compaixão. Esqueceram que Ele os adotou (em “Amor”) com suas ovelhas que não tinham um guia (um pastor) que os conduzissem as águas tranqüilas e pastos verdejantes, veredas de justiças, mesmo que caminhassem por vales sombrios (Sl 23). Esqueceram de tudo e simplesmente condenaram-no a morte.

CONCLUSÃO: Onde você está no meio da multidão? Qual é a sua posição em meio a multidão diante de Jesus? Você pode como a multidão servir de obstáculos e barreiras para que outros não recebam as bênçãos de Jesus! Ou vencer essa multidão quando ela tiver entre Jesus e você, superando seus limites para vencer pela fé.
Você pode se posicionar como a multidão que aprendia com Jesus e recebiam suas instruções e doutrinas. Receber dele o conhecimento de deus pelo Espírito Santo. Desfrutar de seus Milagres e Poder. Testemunhar suas verdades.
Você pode a exemplo de alguns que no meio da multidão foram oportunistas, tocando nele, clamando a sua misericórdia, recebê-lo em sua vida e casa, ter sua vida e família transformada pela presença Dele. Você pode sob Sua palavra (a palavra que tem poder, a palavra de Jesus) levantar-se de onde está e caminhar para uma vida transformada, cheia de bênçãos e do Espírito Santo. Ou simplesmente condená-lo e recusar seu “Amor” como o bom Pastor que pode te levar as águas tranqüilas, pastos verdejantes, veredas de justiça, que te livra dos vales sombrios. Você pode simplesmente condená-lo aceitando os incentivos dos filhos das trevas contra Ele e Sua verdade (que é a mensagem de vida).

Qual é sua posição no meio da multidão?

Quem acha o Senhor Deus, acha a vida.

Texto bíblico: Provérbios 8.35 – “Porque o que me achar achará a vida, e alcançará o favor do Senhor”.

Introdução

Este capítulo fala da excelência da sabedoria. No inicio deste capítulo há uma conclamação a todos, para que houvesse atenção para o que estava para ser dito. Pois as palavras que seriam ditas eram palavras para dar entendimentos. Porém vemos no Vs.22 uma declaração de que a sabedoria anunciada e que conclamava aos homens, estava no inicio de toda criação, antes de qualquer coisa criada. Era o próprio Senhor Jesus.

Tema: Quando acho Deus

Para achar Deus é preciso:

É preciso crer na sua existência – Rm 1.20 - Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis; - Deus criou a vida, Ele é a fonte de vida. "Nele nos movemos, vivemos e existimos." Atos 17:28. Cada respiração, cada pulsar do coração é uma prova do cuidado de Deus. É também dele que depende tudo, desde as mais simples formas de vida até as mais complexas. Não existe outra maneira de explicar a presença de vida sobre a terra. Somente o tolo diz que Deus não existe. Sl 14.1

É preciso conhecê-lo – Colossenses 1.15 – “o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação”; A Bíblia é a revelação progressiva de Deus ao homem. Nela, você vai ler de Jesus Cristo, Filho de Deus, que é a "imagem do Deus invisível". O homem pode conhecer Deus através de Jesus Cristo sendo revelado na Bíblia. Visto que o pecado do homem o separa de Deus, Jesus Cristo veio para trazê-lo novamente a Deus. Portanto, só podemos conhecer Deus através da Bíblia.

É preciso buscá-lo – Jeremias 29.13,14 - Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o Senhor... Não se pode achá-lo sem buscá-lo. Sem uma busca verdadeira.

Achar vida - João 10.10b – “eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. Plenitude de vida, é isso que achamos em Cristo, é o fim da vida superficial. João 14:6, "Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."

Alcançar favor do Senhor – Efésios 2:8-9 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”. Recebemos o favor (Graça) da salvação e o dom do Espírito Santo -Atos 1.8 – “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra” O que dá ouvidos a Palavra de Deus e o recebe de todo o coração permite o Espírito dele entre em sua vida que faz morada na sua vida e passa instruí-lo em todos os seus caminhos.

UM MILAGRE COMPLETO

Texto Bíblico: João 4.46-54


Introdução: Neste texto vemos um homem que pertencia ao mais alto escalão do poder público. Um homem importante. Mas que tinha um filho à beira da morte, e de certo usou todo seu conhecimento, influência e dinheiro para salvar seu filho, o que nada adiantou. Mas ele ouviu falar de Jesus, surgiu uma nova esperança para salvar seu filho.

Tema: Alcançando um milagre completo.

Foram três milagres que foram realizados na vida deste homem:

1) O MILAGRE DA CURA DA INCREDULIDADE

a) Primeiramente este homem por um momento teve que esquecer qual era sua posição social e seu status. Ele teve que abandonar sua postura para poder subir até onde Jesus estava.

b) Ele teve que vencer a subida tortuosa e cansativa até Caná que estava a uma distância de 30 a 40 km de Carfanaum em linha reta. Ele teve que vencer os obstáculos que estavam diante dele.

c) No caminho para o local onde Jesus estava ele teve tempo para repensar sua situação e até duvidar a respeito se Jesus realmente poderia fazer um milagre na vida de seu filho. Embora fosse um funcionário do rei, ele convivia com os judeus (embora não se sabe se ele era ou não judeu, o que podemos deduzir que ele era romano para ocupar o cargo que tinha). Os judeus não criam em Jesus como o Filho de Deus, nem os da sua terra natal criam nele (Vs.44 – que diz que um profeta não tem honra em sua própria pátria). E este convívio pode ter dado motivos também para ele por um momento que seja para duvidar do poder de Jesus. Ele rogou ao Senhor Jesus que o acompanhasse até sua casa. Talvez ainda neste momento pudesse ter um ponto de dúvidas em seu coração, por isso ele espera que Jesus o acompanhe. Assim poderia ter a certeza que Jesus realmente pudesse fazer algo pelo seu filho. (Uma vez que Jesus o acompanhasse em todo aquele percurso de volta, Ele (Jesus) não deixaria de fazer o milagre que tanto esperava. Mas a reposta de Jesus foi para ele surpreendendo quando diz: Vs 48. Se não virdes sinais e prodígios, de modo algum crereis. Em outras palavras Jesus disse a ele: que se você dúvida, não adianta me pedir por este milagre. Ele teve que vencer a dúvida em seu coração para não perder o milagre que Jesus estava pronto para fazer na vida de seu filho.
Assim Jesus realiza o primeiro milagre deste momento – O milagre da cura da incredulidade. Jesus curou a incredulidade daquele oficial.
Quando o status, a posição social, o grau de influência, geram falta de fé em sua vida, é preciso à realização de cura em sua vida. Assim como Tomé (João 20.19-23), que precisou tocar em Jesus para ter a certeza de que o Senhor era presente em sua vida. Que diga de passagem estava no lugar errado na hora errada e não participou juntamente com os demais, quando Jesus soprou sobre eles o Espírito Santo. Ausência por falta de fé faz com que perca a benção.
“Jesus vai soprar sobre você o Espírito Santo se você não se ausentar da presença dele e não duvidar de que ele pode transformar sua vida.”

2) O MILAGRE DA CURA FISICA

a) Quando houve um quebrantamento em seu coração, ele clama novamente ao Senhor que o acompanhasse, mas desta vez sua alma já estava curada, pois seu clamor soa em forma de louvor (Salmo 139.1 – 4: Senhor, tu me sondas, e me conheces. Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Esquadrinhas o meu andar, e o meu deitar, e conheces todos os meus caminhos. Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces.)
Ele não duvidou e sobre a palavra de Jesus (O teu filho vive Vs.50) saiu e creu e logo recebe a noticia do milagre da cura física de seu filho.

3) O MAIOR MILAGRE: A SALVAÇÃO DE TODA SUA FAMILIA

a) Quando ele constata a hora que aconteceu o milagre foi a mesma hora que Jesus disse: Teu filho vive (Vs.53), ele testificar isso a todos de sua casa e toda sua família creu no poder de Jesus. Alcançando assim a salvação para ele e toda sua família – Este é o maior milagre que pode acontecer para você e sua família, que todos possam alcançar a salvação e tenham o direito de terem seus nomes escritos no livro da vida. (Ap 3 - 5 O que vencer será assim vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; antes confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.)
Tenha o direito de ter o seu nome e todos da sua casa no livro da vida, crendo nas palavras de Jesus e testemunhando para todos, o que Jesus tem feito por você.

Resumo: Você pode receber os milagres e as bênçãos de Jesus em sua vida: deixando de lado tudo que possa ser obstáculo para sua fé, deixando tudo que faz com que duvides do poder de Jesus; Quebrantando-se em sua presença e confiar em sua palavra; testemunhar do poder transformador para todos a fim de estes possam receber também o direito de terem seus nomes no livro da vida (alcançando a salvação – o maior milagre).

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

SETE MERGULHOS QUE RESTAURAM A LEPRA DO PECADO

TEXTO BIBLICO: 2 Reis 5.10, 13, 14
Introdução



A doença - Lepra (hanseníase) é uma doença transmissível causada por uma bactéria (Mycobacterium leprae), afeta na maioria dos casos a pele e os nervos. Ela progride lentamente com uma média de um período de incubação de três anos. A principal característica de alguém que possui essa doença é a perda da sensibilidade ao calor, e muitas vezes a mutilação de partes do corpo.

O tratamento - Hoje existem remédios que podem trazer a cura desde que diagnosticado em seu começo. Nas unidades básicas de saúde existe tratamento pelo SUS (sistema único de saúde) gratuitos.

Naamã – O capitão do exército Sírio - Era um grande homem diante do seu SENHOR, e de muito respeito; era um grande homem diante do seu SENHOR, e de muito respeito (vs.1) Vemos nesse texto a história de um homem que podia dizer que tinha de tudo; prestigio dinheiro, fama, e tudo mais que uma pessoa normal sonharia em ter. Era herói de guerra, sua farda estava cheia de condecorações por seus atos de bravura. Porém era leproso. Um grande sucesso para o público, e um imenso fracasso pessoal.
Diante do povo, Naamã usava sua farda militar toda cheia de medalhas e condecorações em sua armadura; era vistoso e respeitado. Mas quando tinha que tirar sua farda na intimidade de sua casa, e sua ferida era exposta e tinha que mostrar quem realmente ele era.

Uma visão espiritual - Naamã é a simbologia do estado espiritual de muitos hoje. No mundo espiritual a lepra pode representar o pecado. Assim como a doença física, o pecado causa morte espiritual.

Comparação dos sintomas da lepra com a vida espiritual:

• Perda da sensibilidade ao calor (não sente mais a presença de Deus), o fogo e a paixão de Deus não ardem mais. E por mais que Deus faça, não há percepção de nada. Ou pior ainda, fica insensível.

• Manchas no corpo, ou seja, o pecado já esta impregnado na pele.

• Uma doença transmissível, ou seja, Quando não há sensibilidade para as coisas de Deus, que já não se importa e disseminar o pecado a outras pessoas.

• Mutilação de partes importantes do corpo, ou seja, quando estamos insensíveis, e nos tornamos contagiosos, logo vemos que parte do corpo de Cristo começa a ser afetada por nossa causa.

A frustração de Naamã e seu orgulho – Ele vai até o profeta Eliseu munido de presentes e valores (estava disposto a pagar por sua cura). E ao contrario do que pensava, Eliseu não o recebe, (talvez porque fosse leproso, havia uma lei que proibia a qualquer um de ter contato com leproso. O único relato de alguém que tocou em um leproso foi o de Jesus. E uma oportunidade que Eliseu teve de mostrar à Naamã, que diante de Deus somos todos iguais e ninguém merece glória a não ser Deus). Talvez por causa das dificuldades que aquele homem possa ter enfrentado para chegar à fama que chegou, Naamã desenvolveu uma soberba muito grande. Na porta da casa do profeta, ele foi recebido por um mensageiro, que lhe orienta: Vai, e lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será curada e ficarás purificado. Indignado por não ser recebido pelo profeta, rejeitou sua orientação. Pois não queria descer as águas do rio Jordão, por que em sua terra havia rios com águas mais limpas. Vai embora com sua indignação.

Naamã retrocede - Diante do apelo dos seus servos ele retrocede (talvez pagando para ver o que poderia acontecer) e faz conforme foi orientado.

Sete é o número profético ligado à purificação e à restauração. Se estivermos dispostos a sermos curados em qualquer área das nossas vidas, devemos estar prontos à sermos tratados por Deus. Naamã se submeteu ao tratamento do Senhor e teve sua vida restaurada.

OS SETES MERGULHOS QUE RESTAURAM SUA VIDA

O PRIMEIRO MERGULHO

O primeiro mergulho de Naamã não o livra da lepra, e sim da sua soberba. Naamã teve que se despir – Mostrar seu interior cheio de chagas, feridas, se expor.
Para que Naamã pudesse ser curado, o primeiro mergulho foi fundamental, porque foi a prova de total submissão a vontade de Deus. Quando disse que conhecia outros rios melhores (Vs.12), é porque o Jordão era um rio muito sujo, e para um comandante tão renomado se rebaixar a tanto era uma ofensa. Porém, assim como Deus faz hoje, muitas vezes Deus nos pede algo que fere nosso conceito para provar nossa total submissão a sua autoridade. No primeiro mergulho é a hora que Deus vence o homem e a soberba. O primeiro mergulho revela a total dependência do homem a Deus.

O SEGUNDO MERGULHO

No 2º mergulho, começa a aumentar em grande potencia algo que tem paralisado a muitos, que é a DUVIDA. Imagino que nessa altura do campeonato não era pequena a duvida no coração de Naamã sobre a eficácia de seu tratamento. Nessa época não havia tratamento para a lepra, a providencia tomada para os leprosos foi construir uma cidade bem longe do alcance de todos, para que pudessem viver de maneira solitária até sua morte. Morte que para quem era escravo dessa doença não era o pior e sim uma esperança de alivio. Se você ler o capitulo 7 no versículo 4 do livro de II Reis. vemos o relato de alguns leprosos que planejam entrar na cidade, sobre seu raciocínio que se morressem assassinados ou pela doença era a mesma coisa, isso mostra o pensamento de alguém que era escravo que encarava a morte como alivio.
Muitos são os relatos de grandes homens de Deus que duvidaram da promessa de Deus, porem desses que duvidaram somente os que perseveraram alcançaram a concretização dessa promessa.
Cansar é justo para os que estão na batalha, o que não se pode fazer é desistir. Eu tenho direito de querer arriar a cruz, o que eu não posso é abandoná-la. No evangelho de Marcos 8:34 Jesus da as cartas, e as condições para os que desejam seguir. Aquele pois que quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Jamais ele disse que seria fácil, porem, podemos ter a confiança do que diz sua palavra de que ninguém tem o fardo maior do que possa carregar.
A duvida rouba a fé, e mina as esperanças. Quando das promessas de Deus e da eficácia da igreja de Cristo na terra, em pouco tempo estaremos vivendo a escassez e solidão.
Primeiro ele vence a si mesmo, depois, vence sua duvida. Imagine o que ainda haveria de vir. Todavia faltam 5 mergulhos. Qual será o propósito de Deus em tudo isso?



O TERCEIRO MERGULHO

O homem Naamã – Aparência x essência

Naamã era grande perante os outros. Tinha autoridade, posição, títulos, riqueza, poder e glória humana, “porém leproso”. O “porém” desvaloriza tudo o que foi dito antes.
Seria humilhante para ele. Então no 3º mergulho Naamã vence a VERGONHA, não apenas de toda sua condição física, mas a vergonha de estar fazendo algo que ele não sabia que poderia dar resultados bem diante dos olhos de seus escravos. Ele devia descer ao rio, descer da sua posição, descer do seu orgulho.
Deus estava querendo ensinar-lhe que a obediência parcial não resolve. Queremos resultados imediatos. O homem moderno, principalmente, quer tudo “para ontem”, mas Deus não faz as coisas do nosso jeito. Naamã obedeceu completamente à palavra do profeta, ou seja, a palavra de Deus.
O nível do sacrifício que oferecemos a Deus determinara o nível de manifestação de sua presença.

O QUARTO MERGULHO

No 4º mergulho era hora de deixar o passado para trás. Deus o estava livrando de suas impurezas não apenas físicas, mas emocionais e espirituais. Era o momento de sua redenção. Quando aceitamos a Cristo, não somente recebemos todas as suas bênçãos, como também somos enxertados Nele, ou seja, somos submergidos Nele.
Por isso que o apostolo Paulo declara com propriedade (Romanos 8:35) que nada pode nos separar do amor Cristo, porque uma vez enxertados é quase que impossível tirar-nos de lá.
O apostolo Paulo declara, uma coisa só eu faço, esquecendo-me das coisas que para trás ficam, e olhando as que estão adiante, prossigo para o alvo da soberana vocação de Cristo Jesus (Fil.3:13). . Paulo diz não estou fazendo nada complicado, uma coisa só eu faço que esquecer-me das coisas passadas para prosseguir. É uma condição. Não é difícil, depende apenas de uma decisão.

O QUINTO MERGULHO

No 5º Mergulho Naamã vence a ANSIEDADE. Ele aprende que não podemos pular as fasesTodas elas são necessárias para formação de quem nos tornaremos. Cada mergulho teve sua importância. Desde o primeiro que vence o orgulho ao ultimo, tornaram-se um processo na cura total do grande capitão.
A bíblia nos adverte “não andeis ansioso por coisa alguma”. A ansiedade de certa forma gera uma falsa expectativa em relação ao futuro. E muita vez gera em nós uma visão distorcida daquilo que é a realidade, ou seja, a ansiedade deturpa nossa visão em relação ao propósito de Deus, trazendo de volta as evidencias do orgulho,
a dúvida, a vergonha por eu achar que estou no lugar errado e levanta as evidencias do meu passado. Assim que, afundar a ansiedade é antes de qualquer coisa, afundar definitivamente as evidencias de coisas que eu já venci.

O SEXTO MERGULHO

No 6º mergulho ele vence o cansaço. Em sua cabeça poderia está tendo vários pensamentos. Poderia está fazendo uma retrospectiva de quanto andou para chega até ali. Quanto buscou para se curar. E neste momento estava respondendo ao amor de Deus. E isso o motivava a continuar. Recuar ou desistir não era a saída para seu problema, o mínimo que ele podia fazer era responder ao amor sublime, e colocar-se a disposição.
A única coisa que você pode fazer é aceitar o chamado do mestre. Quando em Mateus 11:28 “vinde a mim vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei.” A sensação de alivio, é aquela quando estamos vivendo um dura pressão em nossas vidas, e derrepente tudo se resolve.

O SÉTIMO MERGULHO

Naamã em seu ultimo mergulho afunda de uma vez a velha criatura que o impedia de ser realmente feliz, e torna-se um homem livre. Todas as honrarias já não importavam mais, todas as vitórias sobre seus inimigos já não tinham o mesmo gosto. O que ele realmente precisava estava com ele. Sua maior conquista, estava dentro de sua realidade agora. Um homem altivo, soberbo, cheio de si se apresentando a Eliseu, e o que se apresenta depois dos 7 mergulhos é um homem totalmente restaurado.
No ultimo mergulho, Naamã submerge seu último inimigo a ingratidão.
A ingratidão é um dos piores sintomas da lepra. Você já parou pra pensar, tudo o que Deus fez com você. Todos os livramentos, conquistas e como tem sido escrita a sua historia.
Ele entendeu que a maneira como respondemos ao amor de Deus, interfere na maneira como Deus se manifestará. Todas essas barreiras que Naamã teve que afundar nas águas, na verdade eram barreiras que o impediam de responder ao grande amor de Deus que estava sendo revelado a ele, durante toda a sua vida. Em Lucas 17:16 vemos o reflexo dessa gratidão, em uma historia muito similar a do comandante Sírio. Havia 10 leprosos, 1 voltou para agradecer. Curiosamente eram leprosos, e curiosamente, somente 1 aprendeu a lição.

A única coisa que Deus espera de nós é que respondamos a esse amor. Naamã aprendeu a lição.

Deus sempre estará esperando que manifestemos a resposta desse amor que Ele tem por nós, e talvez, de uma das melhores formas. Com GRATIDÃO.

INDO AO ENCONTRO DE JESUS

TEXTO BIBLICO: MATEUS 15.21-28
INTRODUÇÃO: Depois de ter ensinado e pregado aos judeus, Jesus segue em direção das proximidades das cidades gentílicas (isto é, não judaicas). Tendo chegado ali procurou uma casa para que pudesse se ocultar (talvez ter um pouco de privacidade), mas não pode (sua mensagem é maravilhosa e seus efeitos são poderosos para que pudesse ficar em oculto). Logo que uma mulher Siro-fenícia (de origem grega) fica sabendo de sua presença, vai ao seu encontro. Ela sai em busca de solução para o seu problema. Sua filha estava endemoninhada. Mas ao clamar por ajuda não recebe de Jesus a atenção que conclamava.

TEMA: Quando vamos ao encontro de Jesus!

1) Devemos ter uma fé orientada (v.22) – A mulher era de origem gentílica (era grega), o que indica que talvez não conhecesse as leis judaicas perfeitamente. Mas ela buscou informação sobre “O Messias esperado pelos judeus”, pois quando soube da presença de Jesus (e de certo também ouviu falar de seus ensinos e obras) foi ao seu encontro. E quando o encontra, clamava: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim – esta expressão, é a expressão de quem realmente sabia quem era Jesus, O Rei dos reis, O filho de Deus – O Salvador.
Quando vamos ao encontro de Jesus precisamos conhecê-lo, saber quem é realmente Jesus, reconhecer sua soberania e sua missão.

2) Devemos ter uma fé modesta (v.22) - A maior necessidade que esta mulher tinha era a libertação de sua filha. E era isso que ela buscou naquele momento. Talvez tivesse outras necessidades, mas não se importou em aproveitar a oportunidade para entregar uma lista de suas necessidades ao Senhor. Foi modesta em buscar somente a libertação de sua filha, pois era o que mais necessitava. Quando vamos ao encontro de Jesus, precisamos ser modestos, não fazermos uma lista de necessidades para entregar ao Senhor, a fim de que aproveitemos a oportunidade. Pois Deus conhece todas as nossas necessidades. Devemos buscar sim, o reino dos céus e sua justiça, e as demais coisas nos serão acrescentadas (Mt 6.33)

3) Devemos ter uma fé persistente (v. 23,25) – Jesus ouve o seu clamor, mas não responde uma palavra. O Messias esperado estava diante dela e não responde o seu clamor – Uma frustração. Ela teve “motivos” para desistir, voltar para sua casa e continuar a conviver com seu problema (o que seria o óbvio naquele momento). Mas não foi esta a atitude que teve e sim de persistência.
Quando vamos ao encontro de Jesus temos que ter uma fé persistente- Não desistir ao primeiro sinal de dificuldade, impedimento ou falta de resposta no momento.

4) Devemos ter uma fé humilde (v.25) – No evangelho de Marcos 7.25 ela lança-se aos pés de Jesus. Mesmo sabendo que o Senhor não ouvia sua petição naquele momento.
Quando vamos ao encontro de Jesus, mesmo que pareça-nos que o Senhor não nos ouve, devemos ser humildes para nos prostrar aos seus pés.

5) Devemos ter uma fé de adorador (v.25) – Ela veio até Jesus e o adorou. Entendeu que para receber sua benção era preciso ter um espírito de adorador. Deus procura e abençoa os que realmente são verdadeiros adoradores (Jo 4.23).
Quando vamos ao encontro de Jesus, precisamos ter espírito de verdadeiros adoradores. Pois seremos achados por Deus e seremos abençoados por Ele.

6) Devemos ter uma fé que não desperdiça (v.26,27) – Estes versículos são um pouco dramáticos, pois aqui a primeiro instante parece que Jesus foi “áspero” com suas palavras a mulher que clamava por sua misericórdia. Na realidade ao perceber que a mulher tinha conhecimento a seu respeito, Jesus testa-lhe a fé, quando diz que não era bom que o pão seja tirado dos filhos e lançado aos cachorrinhos.

a) Jesus é o pão que desceu do céu (Jo 6.33,41) – Jesus é o pão da vida que desceu do céu primeiramente para os judeus e depois para os gentios. Porém os judeus não o aceitaram quando murmuravam contra Ele, desperdiçaram o pão da vida que foi lhes dado por Deus.

b) Jesus é o pão que foi feito em migalhas (Mt 26.26) – Jesus deu sua vida por todos indistintamente (Jo 10.11-16).
Os judeus comparavam os gentios como cachorros (no que tange vida com Deus), neste caso Jesus não compara a mulher como um cachorro, e sim quando fala de cachorrinhos, alguém que está muito próximo Dele, mas ainda não era a hora para que Ele manifestasse seu poder e glória a eles (os gentios).
A mulher entendeu perfeitamente sua colocação, mas retrucou dizendo que ela aproveitaria bem as “migalhas” do Pão que estava sendo desperdiçado pelos judeus.
Quando vamos à presença de Jesus, não devemos a exemplo dos judeus desperdiçar o “Pão da vida” que foi feito em migalhas para atender os necessitados de Deus.

CONCLUSÃO: Quando vamos ao encontro de Jesus precisamos ter uma fé orientada: sabendo quem é realmente Jesus, reconhecer sua soberania e sua missão. Devemos ter uma fé modesta: não sendo oportunista fazendo petições de coisas que não são tão primordiais em nossas vidas. Buscando primeiramente a justiça de Deus. Devemos ter uma fé persistente: Não desistir em primeiro instante quando não há resposta para nosso clamor. Devemos ter uma fé humilde: Estarmos dispostos a nos prostrar aos seus pés. Devemos ter uma fé de adorador: Adorá-lo em espírito em verdade. Devemos ter uma fé que não desperdiça: Não desperdiçar o “Pão da vida” que foi feito “migalhas por nós”.

Hoje você tem a oportunidade de fazer um encontro com Jesus . Mostrar sua fé e receber dele a benção para sua vida.

Dc. Anderson Soares